A intolerância fazem do Brasil líder no ranking Mundial de assassinatos contra LGBTs!

O Brasil é líder em assassinatos contra LGBTs, nossa sociedade é intolerante e prova disso foi o ocorrido no mês de setembro em Porto Alegre.

Fiz um manifesto poético sobre a censura – #QUEERMUSEU e projeto de lei que permite tratar gays e lésbicas como doentes.

Nota dos artigos:

“Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, que estava em cartaz há quase um mês no Santander Cultural, em Porto Alegre, foi cancelada pelo banco após uma série de protestos nas redes sociais. ”

Justiça permite tratar homossexualidade como doença

“Liminar de juiz do DF determina que terapias de “reversão sexual” não podem ser proibidas por Conselho Federal de Psicologia”

 

Absurdos a parte vou levar a Vida com Arte

Aqui o poema escrito do vídeo

Sou um homem puto quivira Viado
Pinto as unhas e não como calado
Pinto nú
Nu rabisco exibo meu Lápis
Traveco qualquer compasso
Sou um devasso quando o assunto é Uamor.
Teme os qui disconhecem esti passo
Devasso Dular vizinho e passo
Siacaso mincher o saco
Mando pastar
Teu achismos eu devaneio
Lambuzo até caroço
Teu dedo eu chupo e não largo
Quer ver como eu traço?

Minha estreia nas artes foi num Teatro de Revista

O que é teatro de Revista?

“Teatro de revista é um gênero teatral de gosto marcadamente popular que teve importância na história das artes cênicas, tanto no Brasil como em Portugal, até meados do século XX, quando alcançou o seu auge. Caracteriza-se pelo frequente apelo à sensualidade e pela sátira social e política.” – fonte wikipedia

Meu primeiro trabalho no teatro foi com 20 anos no interior do sul de minas, Poços de Caldas, terra natal de umas das maiores Personalidades Gay do Brasil – Nani People 

Minha estreia no teatro foi trabalhando num espetáculo de Teatro de Revista com cerca de 20 atrizes, dentre elas maioria gay, transexuais e travestis, sendo eu e o iluminador os únicos “héteros”, deixo claro que estes rótulos para mim pouco importam, faço uso dele como forma de salientar ao amigo menos desavisado que estiver lendo este post, possa refletir sobre seus concebidos pré conceitos. A intenção é levar debate através da arte e de fatos históricos que marcam nossa sociedade.

Recentemente em entrevista para Folha Ney Matogrosso disse:

‘Que gay o caralho. Eu sou um ser humano’, 

Assino embaixo, retomando a história

Eu era contra-regra e ajudava a musa Fernanda Carraro – a se trocar no camarim.

Fernanda é Transformista desde 1.986, mora em São João da Boa Vista/SP – cabeleireira e restauradora – hoje tem 50 anos, “começou a fazer shows e morou em países como Itália, Suíça e Argentina. Conseguiu uma situação financeira melhor e voltou para São João, onde se tornou um símbolo.’

“Você opta por ser médico, dentista, assaltante de banco, padre. Você não opta por ser gay. Não é uma opção, é uma imposição da vida. Ninguém vira gay. Você nasce gay. Tem gente que fala ‘era homem e virou gay’. Não. Só se assumiu”. trecho da entrevista de Fernanda ao G1 

Para mim foi maravilhoso conviver durante anos naquele universo.

Minha juventude se deu em boate gay, show de imitações, dublagens.

Meus amigos e amigas eram deste universo e ainda o são.

Conheci histórias de superação num tempo onde não havia diálogo com a sociedade e muito menos com a família.

O refúgio só poderia ser na arte, no teatro, na música.

Este foi meu início de carreira que tenho muita honra de descrever aqui neste humilde traçado artístico.

Fatos que vale se destacar

Observando a Tv aberta hoje por exemplo, existem programações inteiras sendo lideradas por maioria “Gay”! Fico muito feliz e isso não vem de agora.

Artistas vêem se destacando não pelo seu gênero que carregam, mas sim, pelo talento e inteligência. Rompem os estereótipos impostos pela sociedade onde gays só fazem papel de humor, el@s são maiores do que isto.

Quem não se lembra de Jorge Lafon da turma dos Trapalhões em plena década de 80. Ele estava lá na mesa da “família brasileira”

Ou do Capitão Gay interpretado pelo Jô Soares nos anos 80, e para citar alguns grandes nomes da cena artística brasileira; Miguel Falabella, Jorge Fernando, Paulo Gustavo, Marcus Majella, Silveiro Perreira, nossa querida Rogéria, e tantas outras.

Mesmo com toda esta exposição na mídia ainda temos muito que debater e educar. O número de homicídio de pessoas gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais em 2016 foi recorde.

Para terem uma ideia da gravidade – em 2016 foram 340 mortes sendo que em 2015 foram 318 mortes.

“Hoje, tem mais homossexuais e trans saindo do armário por causa das paradas gays e outras campanhas; e isso os deixa mais expostos a situações de violência, o que levou ao aumento generalizado de crimes”, explica Luiz Mott, antropólogo fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB).

Outro dado alarmante “Cerca de “99% dos crimes contra LGBTs tem como agravante a intolerância.”

Traçando um paralelo aos acontecimentos citado no inicio do artigo do Blog.

Intolerância gera violência!

Isto tudo leva a triste realidade –  Brasil lidera o ranking mundial de assassinatos de pessoas transexuais em 2016.

Estes dados são da fonte: agencia brasil ebc vale muita sua leitura

SITE DE DENÚNCIA 

Deixo um site de denúncia, é um projeto que busca catalogar a violência brasileira. http://www.fique-seguro.com/inicio/ –

 

Agora te faço um convite CULTURAL para assistir e refletir :

1 – assista o filme do grande artista que revolucionou a MPB – Lennie Dale – ele influenciou uma geração e mudou a cara da música popular brasileira em 1962, além de ter coreografado a Musa Elis Regina e tantos outros.
Ele era – gay, bailarino, revolucionário, Genial!

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR O DOCUMENTÁRIO DE DIZI CROQUETETES – http://bit.ly/filme-dzi-croquettes

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR O QUE GRANDES PERSONALIDADES DIZEM DA OBRA DE LENNIE- http://bit.ly/LENNIE-DALE

2 – Quero te presentear com o meu livro de Poesias e Ilustrações Muié Colores

É SÓ CLICAR NO BANNER ABAIXO, ELE É TODINHO SEU! É gratuito!

Beijos e até daqui a pouco uai! Com mais histórias, dicas, empreendedorismo, sustentabilidade, arte e loucuras!

Aprecie Uamor Sem Moderação